13 de novembro de 2016

Falcões-de-coleira “seguindo” emas e seriemas para caçar

*por Willian Menq.

Algumas espécies de rapinantes possuem o curioso hábito de seguir outros animais para aumentar suas oportunidades de caça. Existem vários artigos relatando a associação de aves de rapina com formigas-de-correição, quatis, saguis, macacos, capivaras, babuínos, lobos e alguns outros mamíferos. Normalmente os rapinantes usam eles como “batedores”, capturando as presas espantadas ou atraídas pelas atividades desses animais.

Em agosto do ano passado, eu e minha companheira Jessica M. Nascimento, tivemos a oportunidade de observar um comportamento bastante interessante, falcões-de-coleira (Falco femoralis) seguindo seriemas (Cariama cristata) e emas (Rhea americana). Na ocasião, observamos dois falcões seguindo um grupo de emas em uma área de pastagem no interior do Mato Grosso do Sul. Conforme as emas caminhavam, os falcões a acompanhavam, pousando em arbustos à frente do grupo, e investindo contra insetos em voo espantados pelo deslocamento das aves. Minutos depois do evento, observamos os falcões realizando o mesmo comportamento com algumas seriemas. Tanto as emas quanto as seriemas pareciam não se incomodar com a presença dos falcões.                        

Não encontramos nenhuma informação na literatura que relatasse a associação do falcão-de-coleira com aves. Um dos poucos relatos envolvendo o falcão-de-coleira e outros animais é de Silveira et al. (1997), que registraram a espécie seguindo lobo-guará (Chrysocyon brachyurus) no Parque Nacional das Emas. Os autores observaram o falcão atacando codornas (Nothura sp) e outras aves espantadas pelas atividades de caça do lobo.

Detalhes do nosso relato estão publicados na edição 192 (julho/agosto) da revista Atualidades Ornitológicas (ww.ao.com.br).

NASCIMENTO, J. M. & MENQ, W. (2016) Associação de forrageio entre o falcão-de-coleira (Falco femoralis) e aves terrícolas em áreas de pastagem no centro-oeste do Brasil. AO 192. p. 24.



Falcões (Falco femoralis) pousados próximos um do outro, durante associação com as outras aves. Foto: Jessica M. do Nascimento.

Falcão-de-coleira (Falco femoralis) aguardando oportunidade de caça, pousado próximo a um grupo de emas (Rhea americana). Foto: Willian Menq.

Para saber mais:

Aves e formigas-de-correição
Willis, E. O.; Oniki, Y. Aves seguidoras de correições de formigas nas Américas e África, 1980. Revista ACOALFAplp: Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua portuguesa, São Paulo, v.2 n. 4, 2008. Disponível aqui.

Gaviões (Leptodon cayanensis, Ictinia plumbea) com sagüis  (Callithrix  flaviceps)
Ferrari, S.F. (1990) A Foraging Association between Two Kite Species (Ictinea plumbea and Leptodon cayanensis) and Buffy-Headed Marmosets (Callithrix flaviceps) in Southeastern Brazil.The Condor, 92(3):781-783. Disponível aqui.

Associação de forrageio de aves de rapina com mamíferos
Menq, W. (2013) Associação de forrageio entre rapinantes e mamíferos - Aves de Rapina Brasil. Disponível aqui

Gavião-ripina (Harpagus bidentatus) e macacosFontaine, R. (1980) Observations on the foraging association of Double-Toothed Kites and White-Faced Capuchin Monkeys. The Auk, 97(1):94-98. Disponível aqui

Falcão-de-coleira e lobo-guaráSilveira, L. , Jácomo, A. T. A., Rodrigues, F. H. G. , Crawshaw-Junior, P. G. (1997) Hunting Association between the Aplomado Falcon (Falco femoralis) and the Maned Wolf (Chrysocyon brachyurus) in Emas National Park, Central Brazil. The Condor. 99 : 201 – 202. Disponível aqui

Falcão-das-rochas (Falco rupicolus) e babuínos
King, A. J., & G. Cowlishaw. (2008). Foraging opportunities drive interspecific associations between Rock Kestrels and Desert Baboons. Journal of Zoology 277:111-118. Disponível aqui

1 de novembro de 2016

Gavião-bombachinha (Harpagus diodon) retorna todos os anos aos mesmos locais?


*por Willian Menq.

Sabemos
 hoje, graças ao trabalho de Lees & Martin (2015), que o gavião-bombachinha (Harpagus diodon) é um migrante regular na América do Sul. Entre os meses de outubro-fevereiro é encontrado nas florestas do sul, sudeste e parte do centro-oeste do Brasil, onde também se reproduz, migrando para a região amazônica durante o inverno (maio-agosto). Porém, outros detalhes de seus movimentos migratórios, como rotas migratórias, fidelidade aos locais de invernagem/nidificação, permanecem desconhecidos.

Sabemos que rapinantes migratórios do hemisfério norte (amplamente estudados), como o falcão-peregrino (Falco peregrinus), a águia-pescadora (Pandion haliaetus) e o gavião-tesoura (Elanoides forficatus), usam as mesmas rotas migratórias e são fiéis aos locais de nidificação e de invernagem. Dessa forma, é possível que o H. diodon também seja fiel aos locais de reprodução e invernagem, e use basicamente as mesmas rotas migratórias em suas viagens entre a Mata Atlântica e Amazônia.

Semana passada, durante um monitoramento de fauna no município de Mangaratiba/RJ, registrei um H. diodon adulto pousado em uma embaúba na borda de uma mata, exatamente no mesmo local que registrei a espécie em anos anteriores, sugerindo que seja o território usual daquele indivíduo durante sua estadia na Mata Atlântica.

Embora eu não tenha nenhuma evidência que a ave seja o mesmo indivíduo que observei nos anos anteriores, pode ser um indício que H. diodon é fiel aos locais de reprodução/invernagem, da mesma forma que ocorre no F. peregrinus e em outros migrantes. No entanto, somente com trabalhos de marcação e monitoramento via rádio-satélite desvendaremos esse mistério.

Harpagus diodon registrado em dezembro/2015, com um anfíbio nas garras.

Harpagus diodon registrado em novembro/2016 no mesmo local do ano anterior.

Área de ocorrência do Harpagus diodon.
Período de invernagem (maio-agosto), reprodutivo (outubro-março;).