28 de junho de 2017

Águias atacam crianças? Verdade ou mito?

Gavião-real pode capturar uma criança? Vídeo de uma águia capturando um bebê é verdadeiro ou falso? Águia tentou carregar um menino na Austrália?



*por: Willian Menq. 
Frequentemente vejo pessoas compartilhando nas redes sociais um famoso vídeo de uma águia-real capturando um bebê no solo. Também já ouvi pessoas comentando que a harpia Harpia harpyja (também chamada de gavião-real), pode atacar crianças. Inclusive, comunidades ribeirinhas no norte do Brasil acreditam piamente nisso, existindo até “supostos relatos”.

Obviamente, tanto a história da harpia quanto o vídeo são FALSOS!!!

Não existe nenhum relato no Brasil ou no mundo de uma harpia (Harpia harpyja) ou de outra águia em vida livre, capturando ou atacando uma criança com intuito de alimentação. Na verdade, as águias (Accipitridae em geral) são ariscas e preferem manter distância dos seres humanos, muitas vezes possuindo grande aversão a nossa presença.

A maioria das águias capturam presas pequenas, que pesam de 300 g a no máximo 7 kg. E mesmo as espécies que capturam bugios e macacos (de 3 a 7 kg) como a harpia, não representam nenhum risco ao ser humano, sendo pouco provável um ataque contra crianças. Essas aves sabidamente identificam a nossa espécie como ameaça e não como alimento.

As únicas situações que deixam as aves de rapina agressivas ao ponto de atacar uma pessoa, é quando alguém se aproxima/manipula seu ninho ou filhotes. E como bons pais, defendem os filhotes a qualquer custo, podendo executar voos rasantes ou contato direto com as garras no intruso. Adicionalmente, aves em cativeiro sob estresse, também podem se tornar agressivas, assim como todo animal.

Águia tentando capturar menino na Austrália? É verdade?

No ano passado, vários sites de notícias veicularam o caso de uma águia (Aquila audax) que supostamente tentou capturar um menino de 8 anos durante um evento na Austrália. Várias manchetes diziam “águia tenta carregar criança”, “águia gigante quase captura um menino”, e outros títulos sensacionalistas do tipo.

Segundo informações, o caso ocorreu durante uma apresentação de aves de rapina no Alice Springs Desert Park, norte da Austrália. Durante a apresentação, a águia (que era treinada) voou em direção ao menino, grudou no seu casaco e “tentou carregá-lo”. Funcionários do parque acreditam que a ave tenha sido atraída pelos movimentos das mãos do garoto, que tirava e vestia o capuz do casaco repetidamente durante a apresentação. Felizmente, apesar do susto, o garoto sofreu apenas um arranhão.

Manchetes sensacionalistas sobre o "ataque" da águia na Austrália.
Esse caso da Austrália é verídico, porém, houve um exagero e má interpretação do comportamento pela mídia. Dizer que a ave tentou carregar a criança é um completo exagero!!

Para mim, parece óbvio que águia não tentou capturar o menino, ela nem é capaz (morfologicamente e ecologicamente) de executar tal tarefa contra uma criança, por motivos já explicados parágrafos acima. A ave atacou o garoto por outro motivo, talvez tenha associado o movimento das mãos do menino com a disponibilidade de alimento, já que os falcoeiros normalmente alimentam essas aves chamando-as com execução de movimentos das mãos ou com apitos, disponibilizando pedaços de carne na luva.

Outra possibilidade é que a ave tenha tentado pousar na cabeça do garoto (que por vezes pode acontecer durante voos livres de aves de rapina), e com o movimento brusco do menino ela se assustou e abortou a tentativa. Vale lembrar também, que a ave era adestrada, em estado selvagem seria improvável um ataque contra uma criança.

Vídeo de uma águia atacando um bebê no Canadá é FALSO

Quanto ao vídeo da águia atacando um bebê, trata-se de uma montagem, como já esclarecido pelo G1 (link) e por outros veículos de comunicação. O vídeo circula na internet desde 2012, foi uma montagem produzida por estudantes canadenses que lamentavelmente acabaram divulgando uma péssima e falsa imagem das águias e de outras aves de rapina.



Essas falsas histórias acabam prestando um desserviço ao conhecimento e a conservação das aves de rapina. A divulgação de notícias falsas ou mesmo a má divulgação de um caso, pode trazer consequências desastrosas paras os rapinantes. Muitas águias e gaviões encontram-se ameaçados de extinção devido à várias ações humanas, inclusive pela caça indiscriminada. Essas aves são desprezadas ou exterminadas em função do medo, preconceito e da ignorância humana.

3 comentários:

  1. Não faz sentido supor que aves de rapina que costumem atacar,carregar e se alimentar de grandes primatas como bugios (américa do sul), chimpanzés e babuinos (Africa) não atacariam bebês e crianças humanas caso tivessem oportunidade. Neste caso acredito muito mais nos relatos populares do que na sua contra-argumentação; são muito mais plausíveis e coerentes com o comportamento animal na natureza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Discordo integralmente! 99,9% dos relatos populares são falsos ou fantasiosos, têm função apenas de aumentar o preconceito contra as aves de rapina. Na verdade não existe nenhum caso verídico de alguma espécie de rapinante (espécie moderna) atacando uma criança no intuito de alimentação. Independente disso, considerando o comportamento e a dieta das espécies existentes, como a Harpia harpyja, ou as poderosas águias da Africa e Asia (Stephanoaetus, Pithecophaga, Polemaetus, etc.), é improvável tal possibilidade. Essas aves caçam pequenos primatas, têm presas de no máximo 7 u 8 kg, em geral arborícolas. A forma humana causa aversão a essas aves, elas não reconhecem a espécie humana (incluindo crianças), como presas, pois não possuímos o tamanho, morfologia, coloração nem o comportamento de suas presas, por isso não faz sentido algum supor isso.

      Excluir
  2. Entendo perfeitamente a sua postura, para um especialista que dedica a sua vida, carreira acadêmica e/ou profissional à estas magníficas criaturas e que faz isso com paixão, como parece ser o seu caso,toda a informação que possa, de alguma forma, contribuir para aumentar ainda mais a predação destas espécies, que, já vem mostrando sinais alarmantes de perigo de extinção, deve ser imediatamente refutada! Reação igual tem ocorrido entre geofísicos, meteorologistas, biólogos e ambientalistas que voluntáriamente ignoram "toneladas" de evidências e dados estátisticos que não estejam de acordo com as causas que defendem. A ciência totalmente isenta sempre foi um mito desde os seus primórdios, por isso entendo perfeitamente a convicção com que você defende este ponto de vista que, tenho certeza que você sabe que não é verdadeiro mas é o melhor a ser fixado no imaginário popular do ponto de vista da proteção à estas espécies (já tão ameaçadas). Ambos sabemos que o antropocentrismo só existe do ponto de vista humano e não existiria uma justificativa biológica para que um predador em cuja dieta estejam incluídos primatas não enxergasse um bebê ou criança humana como uma presa em potêncial; aliás esta é uma questão mais ligada ao bom senso do que propriamente à biologia.
    Mas, como já disse antes, entendo perfeitamente o que motiva a sua postura, a acho até que faria o mesmo se estivesse no seu lugar, portanto não vou insistir nesta minha argumentação pois seria algo infrutífero, mas saiba que apoio totalmente os seus esforços e os de todos comprometidos com a luta para salvar espécies ameaçadas no nosso planeta!

    ResponderExcluir