13 de novembro de 2016

Falcões-de-coleira “seguindo” emas e seriemas para caçar

Foto: Jessica N. Menq.
*por: Willian Menq.
Algumas espécies de rapinantes possuem o curioso hábito de seguir outros animais para aumentar suas oportunidades de caça. Existem vários artigos relatando a associação de aves de rapina com formigas-de-correição, quatis, saguis, macacos, capivaras, babuínos, lobos e alguns outros mamíferos. Normalmente os rapinantes usam eles como “batedores”, capturando as presas espantadas ou atraídas pelas atividades desses animais.

Em agosto do ano passado, eu e minha companheira Jessica M. Nascimento, tivemos a oportunidade de observar um comportamento bastante interessante, falcões-de-coleira (Falco femoralis) seguindo seriemas (Cariama cristata) e emas (Rhea americana).

1 de novembro de 2016

Gavião-bombachinha (Harpagus diodon) retorna todos os anos aos mesmos locais?


*por: Willian Menq.
Sabemos hoje, graças ao trabalho de Lees & Martin (2015), que o gavião-bombachinha (Harpagus diodon) é um migrante regular na América do Sul. Entre os meses de outubro-fevereiro é encontrado nas florestas do sul, sudeste e parte do centro-oeste do Brasil, onde também se reproduz, migrando para a região amazônica durante o inverno (maio-agosto). Porém, outros detalhes de seus movimentos migratórios, como rotas migratórias, fidelidade aos locais de invernagem/nidificação, permanecem desconhecidos.

23 de outubro de 2016

IV Conferência Neotropical de Aves de Rapina

*por: Willian Menq.
Semanas atrás, aconteceu entre os dias 10 e 13 de outubro a IV Conferência Neotropical de Aves de Rapina, na cidade de La Fortuna/Costa Rica, organizada pela The Peregrine Fund, Neotropical Raptor Network e pela Fundação Rapaces de Costa Rica.

Trata-se de um importante evento sobre aves de rapina que reuniu pesquisadores de todas as regiões das Américas, onde foram apresentadas suas pesquisas mais recentes, soluções e desafios.

4 de outubro de 2016

Falcão-tanatau (Micrastur mirandollei) é redescoberto na Mata Atlântica

Foto: Wagner Coppede.
Nesta semana a ornitologia brasileira foi presenteada com uma notícia fantástica, a redescoberta do falcão tanatau (Micrastur mirandollei) na Mata Atlântica.

O incrível registro foi realizado pelos observadores de aves Wagner Coppede, Susana Coppede e Justiniano Magnago na Reserva Natural Vale, Linhares/ES, em maio deste ano, publicado a poucos dias no Wikiaves. Segundo os autores, a ave foi visualizada cruzando em voo rápido uma pequena estrada próxima da sede da reserva.

12 de setembro de 2016

A redescoberta da harpia no Rio Grande do Sul

Harpia no PE do Turvo, março de 2015.
Foto: DAM.
*por: Dante Meller.
Vários são os aspectos que fazem da harpia uma das águias mais emblemáticas para os amantes da ornitologia. Além do enorme tamanho e da incomparável imponência, sua raridade é um dos atributos de destaque. Atualmente, a espécie já desapareceu de grande parte das florestas tropicais onde antes reinava absoluta no dossel florestal.

No Rio Grande do Sul, apesar de ter sido considerada extinta por longo período, a harpia recentemente decidiu se revelar...

A verdade é que hoje em dia para se ver uma harpia o melhor é ir para a Amazônia mesmo. Na Mata Atlântica, infelizmente, sobraram pouquíssimas, com a maior parte dos registros provenientes do Espírito Santo e Bahia. Ao sul, ela tem sido encontrada mais frequentemente em Misiones (Argentina).

22 de agosto de 2016

Aves que imitam o canto de falcões

Ouviu um falcão-relógio (Micrastur semitorquatus) ou falcão-caburé (Micrastur ruficollis) cantando? Atente-se, pode ser outra ave imitando-os!

*por: Willian Menq.
A imitação de cantos de espécies alheiras é comum entre as aves brasileiras, especialmente nos emberezídeos, icterídeos, turdídeos, mimídeos, corvídeos, pscitacídeos, cuculídeos e ranfastídeos. No caso dos icterídeos e corvídeos, as imitações podem incluir o canto de alguns rapinantes florestais, especialmente os do gênero Micrastur.

20 de julho de 2016

Observando aves de rapina em Rio Claro/SP

*por: Willian Menq.
A região de Rio Claro/SP é conhecida por apresentar uma elevada riqueza de aves de rapina. Das 99 espécies de rapinantes existentes no Brasil, pelo menos 45 já foram registradas no município e arredores. Apesar da elevada riqueza de rapinantes, encontrar boa parte dessas espécies na natureza não é nada fácil.

A maioria são ariscas, inconspícuas, possuem populações pequenas e esparsas, necessitam de áreas de vida relativamente grandes e muitas vezes podem habitar locais de difícil acesso.

30 de maio de 2016

Os rapinantes a serem (re)descobertos no Brasil

*por: Willian Menq.
Semana passada, no Avistar Brasil, fomos apresentados a uma das notícias ornitológicas mais fantásticas dos últimos tempos, a redescoberta da rolinha-do-planalto (Columbina cyanopis), desaparecida há 75 anos, considerada extinta pelos pesquisadores. A raríssima ave foi registrada pelo ornitólogo Rafael Bessa, durante uma expedição no interior de Minas Gerais. Notícias assim são incríveis, emocionantes e renovam nossas esperanças.

Aproveitando o tema, e nas aves de rapina do Brasil? Existem espécies que poderiam ser redescobertas?

19 de maio de 2016

O raríssimo gavião-de-rabo-branco “morfo ruivo”

*por: Willian Menq.
Há plumagens tão raras que nem nos guias de campo são encontradas. Esse é o caso da chamada plumagem “morfo ruiva” do gavião-de-rabo-branco (Geranoaetus albicaudatus). Ao contrario da tradicional forma escura, nesta os indivíduos têm o peito, o abdômen e os calções marrom-ruivo contrastando com a cabeça e costas cinza-escuras.

Essa variação de plumagem provavelmente é ocasionada pelo excesso de alguns pigmentos, como a eumelanina ou pheomelanina, que dão tonalidades marrom ou ruiva na plumagem dos rapinantes.

15 de maio de 2016

Urubus são aves de rapina?

*por: Willian Menq.
Discussão diverge opiniões entre os pesquisadores. Como sabemos, o termo "aves de rapina" agrupa aves de várias famílias de linhagens evolutivas distintas, que compartilham determinadas características e adaptações para a caça ativa, como o bico curvo e afiado, garras fortes, voo poderoso, além de uma excelente visão e audição.

Justamente por não serem caçadores e não apresentarem algumas dessas características (bicos e garras fortes), alguns autores simplesmente não consideram os urubus no grupo das rapinas.

11 de maio de 2016

A aprendizagem de caça nas aves de rapina

Jovem gavião-miúdo (Accipiter striatus)
aprendendo a caçar. Foto: Willian Menq. 
*por: Willian Menq.
A aprendizagem de caça começa cedo na vida de um rapinante. Ainda no ninho, o filhote recebe presas inteiras dos pais. Assim, aprende a reconhecer as espécies que fazem parte de sua dieta e também a dilacerar e rasgar suas presas.

A verdade é que as aves de rapina já possuem muitos dos seus métodos de caça e dieta implantados em seu DNA. Indivíduos jovens podem executar uma sequência completa de caça mesmo sem nunca ter caçado antes.

7 de maio de 2016

As buraqueiras de olhos escuros

*por: Willian Menq.
A algum tempo atrás, vi essa fotografia de uma coruja-buraqueira (Athene cunicularia) com olhos escuros, registrada pelo Gustavo Pinto em Americana/SP. É um registro bem interessante, já que os olhos escuros é uma característica incomum e rara para a espécie, que tipicamente apresenta olhos amarelo.

Outras corujas brasileiras, como a corujinha-sapo (Megascops atricapilla) e a corujinha-do-sul (Megascops sanctaecatarinae), é relativamente comum a presença de indivíduos com olhos castanhos/escuros. Na coruja-buraqueira, é o primeiro caso que eu vejo para o Brasil.

30 de março de 2016

O uso do playback nas aves de rapina

*por: Willian Menq.
Observar corujas e falcões-florestais (Micrastur spp) não é uma tarefa fácil. Os contatos visuais com essas aves são difíceis, na maioria das vezes são mais ouvidas do que vistas. Assim, não é raro ver observadores de aves ou fotógrafos usando a técnica de playback para atrair e fotografas aves.

É inegável que a técnica aumenta as chances de detecção de muitos rapinantes florestais, com ele é possível observar espécies que raramente seriam vistas ao acaso. Porém, o uso incorreto e irresponsável do playback pode espantar ao invés de atrair as aves, ou pior ainda, estressá-las.

20 de março de 2016

A harpia na Mata Atlântica

*por: Willian Menq.
A harpia (Harpia harpyja), também chamada de gavião-real, é uma das águias mais possantes e raras das Américas, muito “desejada” por estudiosos e observadores de aves. A espécie conta com poucos registros na Mata Atlântica e são escassas as áreas que ainda dispõem de presas potenciais e território para abrigar a espécie. O desmatamento excessivo e a caça contribuíram significativamente para o desaparecimento da espécie em vários trechos de Mata Atlântica do país.

16 de março de 2016

Cauré (Falco rufigularis), o devorador de beija-flores!

*por: Willian Menq.
O cauré (Falco rufigularis) é um falcão pequeno, ágil e veloz; caça desde andorinhões, periquitos, aves aquáticas pequenas, até morcegos e insetos. Caça principalmente a partir de um poleiro, de onde inicia rápidas perseguições contra suas vítimas.

Durante um trabalho de campo no leste do Mato Grosso, em junho de 2014, registrei um F. rufigularis consumindo pelo menos três beija-flores em uma mesma manhã. Na ocasião eu estava amostrando a avifauna, através de redes-de-neblina, em uma floresta às margens de um grande rio.

Determinadas características da vegetação influenciam na ocorrência de corujas

Coruja-do-mato (Strix virgata). 
*por: Willian Menq.
Os poucos estudos existentes sugerem que há uma forte relação entre a distribuição das corujas com as características estruturais da vegetação. Em áreas florestais por exemplo, a altura e a quantidade de árvores, presença de troncos caídos ou em pé, arbustos ou cipós, promovem diferentes micro habitats para forrageio e são imprescindíveis para a escolha de locais para nidificação.

Durante meu mestrado em Zoologia na Universidade Estadual de Londrina/PR, motivado com o tema, decidi testar essa hipótese em um remanescente florestal no noroeste do Paraná, verificar a influência de algumas variáveis da vegetação na ocorrência de corujas.

14 de março de 2016

Urubus também caçam

*por: Willian Menq.
Apesar dos urubus não terem habilidades para a caça (por questões morfológicas), existem vários registros de urubus predando pequenos vertebrados, como lagartos, roedores, cobras, filhotes de tartaruga e etc., capturados em voos rasantes ou em solo.

Há alguns registros impressionantes, como o de Severo-Neto et al. (2014) (sequência de fotos abaixo) que registraram no interior do Mato Grosso do Sul, um urubu-de-cabeça-amarelada (Cathartes burrovianus) atacando de forma eficaz, com bicadas na cabeça, uma jararaca (Bothrops moojeni) viva.

13 de março de 2016

Acompanhando os falcões-peregrinos de Maringá

Fêmea adulta do casal que monitoro
desde 2012 em Maringá/PR.
*por: Willian Menq.
Desde 2012, venho acompanhando a visita dos falcões-peregrinos (Falco peregrinus) na cidade de Maringá, noroeste do Paraná. Os indivíduos mais antigos são um casal que observo a cinco temporadas. Todos os anos aparecem juntos, sempre no mesmo local (uma torre de caixa d’água na periferia da cidade), compartilhando o mesmo poleiro.

São poucos os relatos de casais nas áreas de invernagem, normalmente aparecem solitários. Nesta temporada só registrei a fêmea. Como é raro casos de indivíduos que mudam de área, desconfio que o macho tenha falecido.

Por que algumas águias brasileiras são chamadas de gaviões?

*por: Willian Menq.
As espécies do gênero Spizaetus são um tipo especial de águias florestais, chamadas no inglês de “Hawk-eagles”, algo equivalente a “águias-açores”. A Harpia harpyja (gavião-real) e o Morphnus guianensis (uiraçu), também pertencem a um subgrupo especial de águias chamado “Harpy-eagles”, grupo na qual está incluida a Harpyopsis novaeguineae (harpia-da-nova-guiné) e a Pithecophaga jefferyi (águia-filipina).

11 de março de 2016

Sobre as alterações nos nomes vernáculos da ultima lista do CBRO (2015)

*por: Willian Menq.
No final de 2015, foi publicada a última lista de aves do Brasil elaborada pelo Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos (link). Dentre as novidades, está à alteração de mais de 100 nomes vernáculos técnicos (NVT’s) e a inclusão de novas espécies para o país.

De acordo com o núcleo de NVT’s do CBRO, foram listados os nomes que pareciam inadequados pelo comitê. Eles foram amplamente discutidos pelo grupo e as respectivas opções alternativas foram definidas em regime de votação.

Aves de rapina são capazes de propagar fogo na vegetação?

*por: Willian Menq.
No inicio de fevereiro, esse foi um dos assuntos mais comentados e compartilhados nas redes sociais.

A pesquisa conduzida pelo geógrafo Penn State Mark e pelo advogado Bob Gosford, relata que o falcão-marrom (Falco berigora) e o milhafre-preto (Milvus migrans) têm o hábito de usar propositalmente galhos em chamas ou brasas para iniciar incêndios em outros locais, dessa forma acuando possíveis presas para fora da vegetação. "Há evidências convincentes de que essas duas espécies atuam como propagadoras de fogo dentro das savanas australianas e talvez em biomas semelhantes em outras partes do mundo", disse Bob Gosford em seu blog pessoal (LINK).

Duas novas espécies de rapinantes para a lista de aves do Brasil

Milvus migrans no lixão de
Guwahati, India. Foto: Fábio Olmos
*por: Willian Menq.
Na ultima lista do CBRO, lançada em dezembro de 2015, foram adicionadas duas espécies de rapinantes na lista brasileira, o milhafre-preto (Milvus migrans) e o esmerilhão-europeu (Falco aesalon).

A inclusão de Milvus migrans era esperada, já que Nunes et al. (2015) realizaram um registro documentário da espécie no Arquipélago de São Pedro e São Paulo/PE, localizado a cerca de 1.100 km da costa nordestina.

Falcões prendem presas em rochas para comê-las mais tarde

Foto: Abdeljebbar Qninba
*por: Willian Menq.
Pesquisadores marroquinos relataram um comportamento intrigante vindo de falcões (falcão-da-rainha - Falco eleonorae) na ilha de Mogador. Os falcões pareciam estar prendendo pequenos pássaros entre as fendas das rochas, aparentemente como estratégia para mantê-las vivas e frescas para uma refeição futura.

Conforme relatado na revista New Scientist, o ornitólogo Abdeljebbar Qninba, da Universidade de Rabat, Marrocos, notou que os pássaros enroscados estavam com as penas das asas e da cauda removidas.

Acompanhe pelo celular a migração de alguns rapinantes em tempo real

*por: Willian Menq.
Você conhece o aplicativo Animal Tracker? Com ele você pode seguir os movimentos de várias espécies de animais de todo o mundo, monitorados quase que tempo real! Nele é possível, por exemplo, acompanhar os movimentos migratórios da águia-pescadora (Pandion haliaetus), gavião-de-asa-larga (Buteo platypterus), urubu-de-caberça-vermelha (Cathartes aura), dentre outros.

Vídeo da águia capturando bebê é falso!

*por: Willian Menq.
O vídeo é falso! A reportagem sobre o vídeo circula na internet desde 2012, e é frequente o número de pessoas que entram em contato através de mensagens e e-mails perguntando sobre a veracidade da informação. Segundo reportagem do G1, o vídeo não passa de uma montagem muito bem feita por estudantes canadenses, que, infelizmente acabaram divulgando uma péssima e errada imagem das águias e outras aves de rapina.

16 de fevereiro de 2016

Willian Menq

Biólogo de formação e vocação, especialista em aves de rapina.

Minha grande paixão são as aves, especialmente as aves de rapina. Como muitos de minha geração, fui influenciado pelas obras de Helmut Sick e pelos documentários de David Attenborough. Fiz mestrado em Zoologia na Universidade Estadual de Londrina, PR, e desde o início de minha formação venho me dedicando aos estudos da ecologia, etologia e conservação dos rapinantes do Brasil. Atualmente, atuo na área de ornitologia e consultoria ambiental, trabalhando principalmente em monitoramentos e avaliações de impactos ambientais sobre a avifauna.

Apoio a educação ambiental e a divulgação científica como a principal ferramenta para transformação das pessoas. São instrumentos poderosos e efetivos para promover a conservação das aves e da natureza, afinal "É preciso conhecer para preservar”.

Sobre o blog

Este é um blog de divulgação científica, cujo tema principal é as aves de rapina do Brasil. O conteúdo aborda diversos temas envolvendo as aves de rapina, ornitologia e áreas afins.


O blog é dedicado a divulgação de notícias, curiosidades, registros relevantes, descobertas recentes, comportamentos, experiências de campo, além de assuntos polêmicos, que demandam atenção e diálogo com o público geral. Este blog é um complemento do site de mesmo nome, o Aves de Rapina Brasil.

Os textos são preparados em linguagem simples, facilmente acessíveis a todos os interessados pelas aves de rapina do Brasil.

Sejam bem vindos!!

Willian Menq
Biólogo, CRBio 83029/07-D,
Mestre em Zoologia, Universidade Estadual de Londrina,
Editor do site Aves de Rapina BR