30 de agosto de 2017

Os rapinantes migratórios chegaram!!


Setembro é o pico de chegada dos migrantes austrais na Mata Atlântica. O gavião-bombachinha (Harpagus diodon), o sovi (Ictinia plumbea) e o gavião-tesoura (Elanoides forficatus) já podem ser registrados no sudeste, sul e parte do centro-oeste do Brasil, onde permanecem até fevereiro e março de 2018.

Essas três espécies realizam suas longas jornadas pelo continente através de voos planados, usando as correntes de ar ascendentes (térmicas) como “elevadores” para ganhar altura e se deslocar. Assim, voam de 150 a 400 km por dia, demorando de uma a duas semanas até o destino final. Normalmente realizam os deslocamentos migratórios em alturas que variam de 500 a 2.000 m, quando há térmicas favoráveis. Como gastam pouca energia com o voo planado, essas aves realizam pouquíssimas paradas diurnas para descanso e/ou alimentação.

Aves de rapina migratórias que aparecem a partir de agosto/setembro no sul, sudeste e centro-oeste do Brasil. 1 - sovi (Ictinia plumbea), 2 - gavião-bombachinha (Harpagus diodon), 3 - gavião-tesoura (Elanoides forficatus). Fotos: W. Menq.

O sovi (I. plumbea) e o gavião-tesoura (E. forficatus) são rapinantes sociáveis, realizam as migrações em grupos de dezenas a centenas de indivíduos, também permanecem nas áreas reprodutivas e de invernagem em grupos. Se reunindo em bandos, fica mais fácil localizar as correntes térmicas e usá-las de forma mais efetiva, além de afastar predadores das áreas reprodutivas com mais eficiência. E como se alimentam basicamente de insetos voadores, bastante abundantes nas estações quentes, esses grupos não têm problemas com escassez de alimento.

Pouco sabemos sobre os movimentos migratórios desses gaviões na América do Sul. Informações como rotas migratórias, fidelidade aos locais de invernagem/nidificação, ainda são pouco compreendidas. Sabemos que as aves de rapina migratórias do hemisfério norte, como o falcão-peregrino (Falco peregrinus), a águia-pescadora (Pandion haliaetus) e o gavião-papa-gafanhoto (Buteo swainsonii), usam as mesmas rotas migratórias e são fiéis aos locais de nidificação e invernagem. Assim, é possível que o gavião-tesoura, sovi e o gavião-bombachinha também sejam fiéis aos locais de nidificação e de invernagem, usando as mesmas rotas migratórias em suas viagens entre a Mata Atlântica e Amazônia, hipótese já levantada em postagens anteriores (link).

Figura 1. Padrão de migração do gavião-tesoura (Elanoides forficatus) no Brasil. 1) De abril a julho, os E. forficatus estão concentrados na região amazônica, onde também há populações vindas da América Central. 2) Em julho/agosto, os E. forficatus iniciam seus movimentos para a Mata Atlântica (incluindo parte do centro-oeste), e nesse período grandes bandos podem ser registrados em migração. Em setembro, os E. forficatus já atingiram seu destino final de migração, e algumas populações iniciam o período reprodutivo na Mata Atlântica. Em fevereiro/março iniciam a viagem para a Amazônia, onde bandos podem ser vistos em migração.
Bando de gavião-tesoura (Elanoirdes forficatus), com mais de 200 indivíduos, registrado em 11/03/2013 na área urbana de Maringá, provavelmente em migração rumo ao norte do Brasil. Foto: Elirani Fernandes.

Nos meses de outubro e novembro é a vez dos rapinantes migratórios do hemisfério norte aparecer no Brasil, são eles o falcão-peregrino (Falco peregrinus), águia-pescadora (Pandion haliaetus), gavião-de-asa-larga (Buteo platypterus), gavião-papa-gafanhoto (Buteo swainsonii), sauveiro-do-norte (Ictia mississippiensis) e o esmerilhão (Falco columbarius).

E você, já registrou a chegada dessas espécies em sua região? Caso sim, comente e publique seus registros no Wikiaves, Táxeus ou eBird, seus dados podem auxiliar programas de monitoramento e conservação de aves, saiba mais.

Quer saber mais sobre a migração das aves de rapina do Brasil?
Leia o artigo: As aves de rapina migratórias.

Um comentário:

  1. Observei um gavião-tesoura ontem, planando solitário. Aqui na região (Centro de SC) eles podem ser vistos em praticamente qualquer lugar, mesmo nos centros urbanos, em baixa altitude.

    ResponderExcluir